Translate

Rádio SENAMI

RÁDIO SENAMI ===>

Pesquisar este blog

O que você pode fazer em favor da Missão?

Visualizações de páginas da semana passada

domingo, 22 de junho de 2014

Como o evangelho transformou a China

Como o evangelho transformou a China

Há alguns anos, o teólogo Dietrich Bonhoeffer afirmou: "A Igreja somente é Igreja quando existe para os outros". Quando uma igreja local existe para abençoar não somente os cristãos que a compõe, mas também a comunidade ao seu redor, o seu propósito e foco é cumprido

China_Church 0040003337.jpg

A Igreja na China tem visto um crescimento significativo nas últimas décadas. Mas, antes desse período, o país era um dos locais menos receptivos ao evangelho. Agora, graças à fidelidade e à ousadia da Igreja em existir para os outros, temos testemunhado muitas mudanças por todo o país e a esperança do evangelho tem se espalhado e alcançado muitos chineses.

Alguns membros da equipe Portas Abertas estão na China e queriam compartilhar com você relatos sobre como Deus tem trabalhado nesse país.

Dia 2
"Hoje visitamos uma igreja doméstica. Mais de 800 cristãos desfrutaram da adoração e da pregação sobre Gênesis 12. Jovens estavam ativos orando, liderando o louvor, compartilhavam seus testemunhos e pregavam a Palavra. Um estudante viajou uma hora para participar do culto. Ele trouxe outros para que ouvissem sobre Jesus e sua obra na cruz. 

Uma senhora do nordeste da China também veio e tinha algumas perguntas sobre cura. Um pastor de uma região muçulmana nos encorajou, compartilhando que milhares de ex-muçulmanos estão agora seguindo a Jesus por toda a China. Eles se encontram em grupos, mas não têm prédios de igrejas. Eles treinam esses cristãos para evangelizar com cuidado. 

Um homem que aceitou a verdade do Evangelho compartilhou-a com dez famílias que terminaram por seguir a Cristo, também por causa de seu testemunho. O Senhor está de fato erguendo sua Igreja entre os chineses [da etnia] Han e as minorias!"

Dia 3
"Hoje esperamos aprender sobre as mudanças políticas recentes no país e o que isso significa para a Igreja. Desde que as igrejas domésticas mantêm-se discretas, sem muitos membros e nenhum contato com estrangeiros, elas têm espaço para funcionar. Elas também não são consideradas uma seita, uma vez que o governo compreende melhor quem são. 

Durante algumas entrevistas, foi relatado que pastores e policiais tornaram-se até mesmo amigos. Um cristão mencionou que sua igreja começara com sete membros em 1999 e hoje tem mais de mil. Agora eles se preocupam onde se reunir, pois o aluguel pode ficar muito caro. Um contato de Portas Abertas nos contou que, nos anos anteriores, distribuiu mais de 200 mil Bíblias e livros por toda a China. 

Ela compartilhou como Deus a abençoara através disso. Seus contatos ainda pedem literatura grátis porque não sabem que esses mesmos livros estão disponíveis agora em lojas locais por preços baixos. Entre todas suas atividades, ela também apoia dois seminários bíblicos e um ministério voltado para os refugiados norte-coreanos. Vimos hoje prova da grande dedicação para com a Igreja e para com aqueles em necessidade."

A China vem de um longo caminho, no qual os cristãos já sofreram muito mais com a perseguição religiosa, comparando a situação hoje a décadas passadas. Em 2014, o país ainda figura como o número 37 da Classificação da Perseguição Religiosa

Ore pela China e pelos cristãos chineses. Ore também pela Igreja brasileira. Para que todos nós, como membros do mesmo Corpo, possamos "existir para os outros" e busquemos a honra de Deus em todas as coisas.